terça-feira, 22 de novembro de 2016

RESENHA FOTOGRÁFICA: Lançamento do livro “Celebre a Vida”!

Celebre a Vida.
O título do livro de estreia da escritora carazinhense Marinilce Schmitz faz um convite difícil de recusar.


Talvez por isso, o evento de lançamento, que aconteceu dia 20 de novembro, no espaço Saber e Lazer do Sesc Carazinho, tenha sido tão especial.


Marinilce autografou exemplares de sua obra durante as duas horas de duração do evento, e leu uma das poesias presentes no livro, “E aqui estou”.


Além de receber amigos e leitores, a autora também aproveitou para falar sobre o projeto literário pós-lançamento que será realizado no Yacamim, entidade que atende jovens em situação de risco na cidade de Carazinho/RS: 40% do valor de capa da obra será revertido na publicação de um livro, contendo textos e desenhos de crianças e adolescentes atendidos pela instituição.


A Editora Os Dez Melhores agradece pela confiança e amizade da autora Marinilce! Obrigada por permitir que a gente faça parte deste projeto tão bonito, e no qual acreditamos tanto!


Agradecemos também ao público, que se fez presente, e abraçou nosso projeto com carinho e entusiasmo.


Agradecemos aos amigos Tiago Kreutzer e Douglas da Costa Rufatto, pela parceria e pela seleta trilha sonora do lançamento.


Agradecemos sempre ao fotógrafo Fernão Duarte, pelo olhar singular, pelos registros precisos, por toda a colaboração!


Agradecemos ao ilustrador carazinhense Wélington Weimann, da WW Art, responsável pela ilustração de capa da obra Celebre a Vida. Obrigada pelo trabalho, pela parceria, pela grande presença.


Agradecemos ainda a presença da fotógrafa Raquel Bresolin, que registrou a imagem na qual Wélington se inspirou para criar a ilustração de capa do livro.


Por fim, agradecemos ao Sesc Carazinho pelo espaço, pela hospitalidade e pela cooperação.
Obrigada!


Então clique AQUI para conferir a resenha fotográfica completa do lançamento do livro Celebre a Vida, e adquira seu exemplar em nossa livraria virtual.

(Fotos: Fernão Duarte). 

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Literatura solidária em Carazinho/RS!

Lançamento da obra “Celebre a Vida” busca levantar verba para a publicação de um livro escrito por crianças carentes

Assessoria de Comunicação Editora Os Dez Melhores.

Está marcado para o dia 20 de novembro, domingo, o lançamento do primeiro livro da escritora carazinhense Marinilce Schmitz, Celebre a Vida. A obra reúne 60 poesias que tratam de temas comuns a todos nós: o amor, a angústia, o renascimento, a fé.
Publicado pela Editora Os Dez Melhores, o livro também traz, em seu encalço, um projeto literário pós-lançamento, envolvendo crianças e adolescentes do Programa Yacamim, entidade que atende jovens em situação de risco na cidade de Carazinho/RS.
O objetivo é reverter parte do valor levantado com a venda dos exemplares da obra Celebre a Vida para a realização de oficinas literárias e, posteriormente, o lançamento de um livro, contendo textos e desenhos de alunos do Yacamim.
A ideia partiu da autora, Marinilce Schmitz, e foi abraçada com convicção pela editora, que mantém, desde sua fundação, o Projeto Nascedouro – iniciativa que busca estimular e promover não somente a leitura, mas também a escrita, entre crianças e adolescentes. O Nascedouro já lançou quatro livros através desta iniciativa, publicando textos e desenhos de mais de 120 estudantes gaúchos.
Deste modo, o lançamento da obra Celebre a Vida é mais do que somente o lançamento de um livro. É o lançamento de um projeto maior, que busca alcançar e oportunizar jovens carentes do município de Carazinho a conhecerem e se reconhecerem através da literatura.
Ademais, Celebre a Vida é um livro genuinamente carazinhense, que busca apoiar e difundir o trabalho de nossos artistas locais. Assim, além da autora e da editora, a imagem de capa é criação do ilustrador carazinhense Wélington Weimann, que se inspirou em uma foto tirada pela fotógrafa, também carazinhense, Raquel Bresolin.
Por tudo isso, não deixe de conferir a sessão de autógrafos da obra Celebre a Vida! É dia 20 de novembro, entre 18h e 20h, no espaço Saber e Lazer do Sesc Carazinho. A entrada é gratuita, e o livro estará disponível para venda por R$25.
Para mais informações, entre em contato através dos e-mails contato@editoraosdezmelhores.com.br (para falar com a editora) ou marinilce.s@hotmail.com (para falar com a autora).


Confirme sua presença no lançamento do livro Celebre a Vida clicando aqui.
Leia a entrevista com a autora clicando aqui.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

“Temos que aprender a gostar também dos sentimentos ruins”

Entrevista com a escritora Marinilce Schmitz, autora da obra “Celebre a Vida”, próximo lançamento da Editora Os Dez Melhores!

Sabemos que o sofrimento traz fortalecimento e sabedoria, e pessoas que já passaram por grandes dificuldades costumam ser mais fortes, e muitas vezes mais felizes, que outras, que não experimentaram (ainda) o amargo da vida.
Pode parecer contraditório, mas a tristeza, quando encarada nos olhos, é capaz de se transformar em resistência e entusiasmo, e então em renascimento.
Celebre a Vida”, primeiro livro da escritora carazinhense Marinilce Schmitz, trata justamente sobre isso: resistência, entusiasmo, renascimento. Marinilce transformou sua dor e seus fantasmas em poesia, mas não se engane: “Celebre a Vida” não é um livro de lamentações. Muito, muito pelo contrário.
Através das 60 poesias reunidas na obra, Marinilce passeia sem medo pelos seus sentimentos mais nobres e mais sombrios, esmiuçando suas próprias emoções na tentativa de encontrar ali as respostas para suas perguntas. E ela encontra. E divide com o leitor suas percepções sobre os anseios que permeiam e definem cada um de nós.
Confira abaixo a entrevista que realizamos com a autora, e conheça um pouco mais sobre sua obra, seu processo criativo, suas inspirações, e sobre como Marinilce aprendeu a celebrar a vida, com suas satisfações e alegrias, mas também com seus medos e suas aflições.


 1. Quem é Marinilce Schmitz na visão de Marinilce Schmitz?

Uma pessoa muito determinada, disponível e pronta para ajudar. Tem uma missão muito importante: ser referência para outros como alguém que busca sempre o seu melhoramento. Primo pela ética e acredito em um mundo melhor.

2. Quais suas expectativas com relação ao lançamento do seu primeiro livro, "Celebre a Vida", que acontece dia 20 de novembro, no Sesc Carazinho?

Expectativas muito boas. Confiante na aceitação das poesias que estão neste livro.
Foram escritas com muito amor e carinho, e isso é possível perceber, segundo várias pessoas que já leram algumas delas.


3. Como foi o processo de criação das 60 poesias reunidas na obra "Celebre a Vida", e em que momento você decidiu publicá-las em um livro?

Na verdade, já tenho muitas outras poesias, e todas foram criadas espontaneamente, conforme as situações se apresentavam para mim. Não tinha hora nem lugar.
Nosso pensamento é maravilhoso, e as palavras simplesmente se formavam, compondo uma poesia em pouco tempo. Detalhe para a forma como foram escritas, em rimas. Acho melodioso neste formato.

4. Além da poesia, você já pensou em se aventurar por outros gêneros literários, como o conto, a crônica, o romance?

Boa pergunta. A poesia já foi algo surpreendente na minha vida; então, por que não deixar livre para outras oportunidades surgirem?

5. Você possui uma rotina para escrever? Tem alguma mania da qual não consiga abrir mão?

Como já comentei, a vontade de escrever é espontânea. Levo sempre um caderno comigo e, conforme surge uma ideia, eu anoto, para depois terminar de escrever, caso naquele momento não tenha a oportunidade de fazer.


6. Por que você escreve? A literatura, pra você, é lazer ou dever? Transpiração ou inspiração?

A literatura hoje é lazer. Já foi dever, e vejo o quanto perdi nesta fase, pois não entendia como poderia me trazer prazer. Porque, mesmo se tratando de autores mais “difíceis”, sempre temos o que aprender.
Escrevendo poesia, tive a percepção de que inspiração e transpiração andam juntas, e que eu conseguia expressar minhas emoções, como a alegria e a tristeza, colocando as palavras no papel. Ainda não utilizo o computador para escrevê-las, pois me emociona riscar, rasurar no papel. Assim percebo o meu crescimento até finalizá-las.

7. Como você e a literatura se conheceram? Como, onde e por que tudo começou?

Sempre li muito, desde a minha adolescência. Tenho lembranças boas dos meus professores, que me ajudaram a aprender a ler – porque precisamos aprender a gostar de ler. Não passamos a apreciar a leitura num passe de mágica.
Através de muitas tentativas, de muitos erros e acertos, podemos alcançar este aprendizado. Também é importante respeitar as fases da vida, pois em cada uma delas temos necessidades de leituras diferentes. Isso, para mim, é mágico, pois você pode encontrar todas elas nos mais variados livros.
Tantos escritores já nos deram tantas possibilidades de crescimento, basta avançar em suas obras e buscar o que precisamos. Desacomodar e sair do papel de vítima da vida.


8. O que lhe inspira?

Não tenho uma linha definida: uma flor, um pássaro, uma situação vivencial, tudo me inspira. Lembro de um dia em que eu estava escrevendo com uma caneta lilás, e logo escrevi uma poesia inspirada nela. Parece loucura, mas, sim: uma caneta lilás pode te inspirar a fazer um poema.

“Pássaro lilás
O que você me traz?
Estou aqui escrevendo,
Com esta linda cor
Pouse aqui perto
e vamos conversar.
Você com seu canto,
Eu com minha poesia,
Faremos um belo par.
O lilás nos aproxima
E assim vamos continuar
Você e eu, em paz”.

 9. Parte da renda obtida com a venda dos exemplares da obra "Celebre a Vida" será revertida em um projeto literário para o Yacamim, entidade que atende crianças e adolescentes em situação de risco na cidade de Carazinho/RS.
Quando e por que você resolveu investir na publicação de um livro escrito por crianças carentes?

Sempre me preocupei em auxiliar, e tenho um viés muito forte com questões sociais. Na empresa que atuo, a TW Transportes, temos muito presente ações de responsabilidade social. E as crianças são meu foco, por perceber que precisam de um olhar e um cuidado especial, para que possam se tornar adultos ativos e saudáveis na sociedade.
O Yacamim atende mais de 200 crianças entre três e dezenove anos, e através de oficinas literárias poderemos proporcionar a elas mais uma oportunidade de aprender a ler. Como falei antes, aprender a ler um livro pode parecer redundante, mas é necessário auxílio para ser algo prazeroso.
Ademais, podemos descobrir muitos talentos dentre estas crianças. Sempre acreditei muito nisso, e com a parceria da Editora Os Dez Melhores, tenho esta certeza.


10. Em conversa recente, você me falou sobre a Literapia, isto é: a literatura empregada como tratamento terapêutico. Você acredita que escrever pode colaborar para o restabelecimento emocional de alguém? Caso sim, como?

Já comentei muito com nossa querida Jana (Lauxen, editora da obra) o quanto estou me realizando escrevendo, e agora publicando um livro.
Escrever é sublimar as tuas emoções, mesmo aquelas que você já elaborou com muito carinho e atenção, pois todas estas emoções são suas. Temos que aprender a gostar também dos sentimentos “ruins”, como a tristeza, o medo, a angústia, a raiva.
Quando escrevo, tenho uma conversa com todos eles, e isso é libertador. Se todos tivessem consigo um caderno e, antes de falar, escrevessem, tenho certeza que muitos discursos seriam diferentes.
Não precisa escrever um livro para ser publicado; você pode escrever para deixar um registro para seus filhos e amigos. Escrever sobre sua caminhada, escrever para você mesmo. É muito bom ler o que se escreveu, e ver se avançamos ou não.

A editora Jana Lauxen e Marinilce Schmitz, na assinatura do contrato de edição. Foto: arquivo pessoal.

11. Enquanto leitora de poesia, quais autores você mais admira?

Bom, eu não sou leitora somente de poesia, e isso me faz escrever fora de um único padrão.
Admiro muitos escritores, e aqui cito Rubem Alves, Lya Luft, Machado de Assis, Eça de Queirós e, com muito carinho, José Bento Monteiro Lobato, que sustentava que um país se faz com homens e com livros. Eu faço das palavras dele também as minhas.

12. E para encerrar, Mari, quais são seus projetos literários para 2017?

Estou começando com calma. Falar em projetos é muito provocador, mas quero, sim, publicar um segundo livro, e participar ativamente das oficinas literárias no Yacamim. Entendo que auxiliar é estar presente. E como diz um velho provérbio chinês: sempre fica um pouco de perfume nas mãos de quem oferece rosas.


Bate-Bola

·       LivroMédico de Homens e de Almas”, de Taylor Caldwell
·       Escritor(a):  Rubem Alves
·       Vício: Organização
·       Poesia: Realização
·       Ídolo: Jesus
·       Música: Aleluia
·       Trabalho: Desenvolvimento
·       Paixão: Meus filhos
·       Indignação: Abuso de crianças
·       : Alimento da alma
·       Literatura: Brasileira
·       Desconforto: Fofoca
·       Inesquecível: Ser mãe
·       Celebrar a Vida: Gratidão


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

4ª Mostra de Arte do Saloon: + vídeos!

Confira abaixo todos os vídeos produzidos a partir da 4ª Mostra de Arte do Saloon, que aconteceu dia 08 de outubro, no Rancho Cavalo de Troia, e reuniu mais de 50 artistas de Carazinho e região!
Então dá o play e viaje de volta até esta linda noite de sábado, recheada de arte, música, amigos e cultura!
Produção e realização: DJ Christiano Naza / Studio One.




Banda 5:18:


Para assistir ao primeiro vídeo da série, com a apresentação do Two Old Dogs, clique aqui.
Para saber TUDO O QUE TEVE na 4ª Mostra de Arte do Saloon leia a resenha clicando aqui, e veja todas as fotos clicando aqui, aqui e aqui.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Lançamento do livro “Celebre a Vida”, de Marinilce Schmitz!

O lançamento do livro de poesias Celebre a Vida, da escritora carazinhense Marinilce Schmitz, já tem dia, hora e local para acontecer: é dia 20 de novembro, domingo, entre 18h e 20h, no espaço Saber e Lazer do Sesc Carazinho!
A entrada é franca, o autógrafo é cortesia, e a obra estará disponível para venda por apenas R$25! ;)
E o mais bacana é que parte do valor levantado com a venda dos exemplares do livro Celebre a Vida será revertido para a realização de oficinas literárias e, posteriormente, o lançamento de um livro, contendo textos e desenhos de alunos do Yacamim, entidade que atende crianças e adolescentes em situação de risco na cidade de Carazinho/RS.
Então marque na agenda, confirme sua presença clicando AQUI, e vem junto com a gente celebrar a vida e a poesia! 


quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Tem mais sobre a 4ª Mostra de Arte do Saloon!

Esta semana o DJ Christiano Naza, da Studio One, liberou o primeiro vídeo, de uma série de registros realizados durante a 4ª edição da Mostra de Arte do Saloon, que aconteceu no último dia oito, no Rancho Cavalo de Troia.
O primeiro vídeo apresenta, além de momentos da festa, o Two Old Dogs, projeto acústico formado pelos músicos Jean Montano e Marcelo Zanoni, de Getúlio Vargas/RS.
Vale a pena conferir e ficar alerta: vamos divulgar todos os vídeos em nosso blog e em nossa página no Facebook, com os shows e as apresentações de todos os artistas que participaram do Sarau Musical.
Se liga, porque tá massa:


Para ver as fotos da 4ª Mostra de Arte do Saloon clique aqui, aqui e aqui.
Para ler a resenha e saber TUDO O QUE TEVE, clique aqui.


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

“Celebre a Vida”: próximo lançamento da Editora Os Dez Melhores!

É com alegria e orgulho que apresentamos a capa do próximo lançamento da Editora Os Dez Melhores: o livro de poesias Celebre a Vida, da escritora carazinhense Marinilce Schmitz!

A ilustração de capa é de autoria do ilustrador carazinhense Wélington Weimann, da WW Art, e o projeto gráfico é da Charlotte Estúdio.


E o lançamento da obra já tem data para acontecer: será dia 20 de novembro, domingo, entre 18h e 20h, no espaço Saber e Lazer do Sesc Carazinho!
Marque na agenda, e não perde por nada não! ;)


Sobre a obra:
Celebre a Vida é um livro sobre recomeço, renascimento, renovação. Não por acaso, a capa da obra traz uma flor que, contra todas as probabilidades, germinou em meio ao concreto. Assim é a natureza, inclusive a natureza humana.
Marinilce Schmitz, autora da obra, também germinou em meio ao concreto. Renasceu como escritora, como poetisa, como cidadã. E as 60 poesias que reuniu em seu primeiro livro mostram que não há cimento e argamassa capazes de deter a força resiliente da natureza. Seja pessoa, seja flor, a natureza é implacável quando decide continuar. Quando decide ir em frente, ao invés de recuar.
Celebrar a vida é a maneira mais eficiente de lutar contra a dor e o concreto, que nos ordenam menosprezar, maltratar, abandonar a vida. E Marinilce divide com seus leitores os caminhos bonitos e tortuosos que percorreu até aprender que, da dor e do concreto, ao invés de amargura e argamassa, pode sair poesia. 

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

4ª Mostra de Arte do Saloon: uma noite para não esquecer

Texto: Jana Lauxen.

“A arte existe para que a realidade não nos destrua”, disse certa vez um cara chamado Nietzsche.
Nietzsche está certo.
A arte é responsável por canalizar todos os nossos sentimentos e sensações – especialmente aqueles com os quais não gostamos de lidar.
A arte filtra e higieniza nossa mente, transformando o que poderia ser um problema, em uma solução. Seja produzindo, seja consumindo, o ser humano foi feito para a arte, e vice-versa.
É na arte e na cultura que se encontra a chave que abre as portas de qualquer prisão.

Por Felipe Granville.

E é exatamente por isso que a noite de 08 de outubro de 2016 foi especial. A 4ª Mostra de Arte do Saloon reuniu artistas e simpatizantes de diferentes cidades, de diferentes áreas, de diferentes idades e sexo e classe social, e mostrou que, quando o assunto é cultura, não há muros capazes de nos separar.

Por Felipe Granville.

A Mostra iniciou às 20h de um sábado de céu limpo, porém frio e ventoso, e de cara trouxe novidades: ao invés de ocupar somente o último ambiente do Rancho Cavalo de Troia, a Mostra de Arte se espalhou também pelo saguão, onde um palco foi montado para as apresentações do Sarau Musical.


Deste modo, o espaço para os expositores e para o público aumentou, e mesmo assim permaneceu cheio durante todo o tempo.


Esta também foi a edição na qual mais artistas participaram – foram cerca de 20 expositores, 05 atrações no Sarau Musical e 05 shows no palco principal; totalizando mais de 50 artistas!


A 4ª edição da Mostra trouxe ainda muitos novos artistas – boa parte deles estreando em exposições de arte, e mostrando seu trabalho ao público pela primeira vez.

Por Felipe Granville.

É o caso de Keli Rahmeier, ilustradora de Não-Me-Toque, que além de expor suas obras pela primeira vez, produziu cerca de 10 (DEZ!) trabalhos em menos de uma (UMA!) semana – sendo um mais incrível que o outro. O motivo? Ela havia parado de desenhar e, após o convite para a Mostra, sentiu-se novamente inspirada e determinada a criar. Daí não parou mais.


Os trabalhos que Keli apresentou são repletos de personalidade e sentimentos, e comprovam cientificamente que ela não deve, nunca mais, parar de desenhar. Continue, Keli!

Por Felipe Granville.

A artista plástica Alexandra Braun, também de Não-Me-Toque, foi outra grata e grande presença. Com um trabalho autoral delicado, porém intenso, expôs pela segunda vez – sua estreia foi no Aniversário Cultural da Casa da Cultura de Não-Me-Toque, que aconteceu em setembro deste ano.


Como Ale bem disse, a oportunidade de mostrar seu trabalho estimula o artista a “sair do armário”. E tudo o que queremos nesta vida é tirar todos os artistas do armário. Saiam do armário, gente! ;)

Por Amanda Rodrigues.

Nelson Arnhold também estreou divulgando suas ilustrações. Descobri Nelson no Facebook, por acaso, quando ele publicou alguns de seus desenhos, e o convidei na hora para a Mostra de Arte. Estudante da Escola Estadual Ernesta Nunes, de Carazinho, Nelson expressou segurança e criatividade em seus traços.


Enquanto isso, o grupo Soul Liberi – trio genial formado por Tiago Kreutzer no violoncelo, Patrícia Gerlach no vocal e Douglas da Costa Rufatto no violão – abria as apresentações do Sarau Musical, provando que não estão no mundo a passeio.


O Soul Liberi é novo, mas já nasceu maduro e notável. Seu show recebeu aplausos e elogios do público, que não arredou o pé da frente do palco durante toda a apresentação.

Por Amanda Rodrigues.

O projeto Fanzines na Sala de Aula, liderado pela professora Cinthia Monicck Lucero, também marcou presença, expondo os fanzines produzidos pelos seus alunos.

Por Felipe Granville.

O bacana é que Cinthia reuniu alguns dos estudantes/autores, e levou todo mundo para a Mostra de Arte – promovendo assim uma experiência inédita aos seus alunos, e estimulando-os a continuar produzindo. Parabéns pela iniciativa e interesse, Cinthia!


O fotógrafo Rafael Salles também expôs pela primeira vez na Mostra de Arte, e apresentou suas fotografias afixadas em caixas de papelão, proporcionando uma apresentação diferente e original ao público. Seu trabalho, de grande sensibilidade e percepção, certamente não demorará a conquistar espaço, público e admiração em Carazinho e região.


No palco do Sarau Musical era a vez de Leonardo Becker, sua voz e seu violão, tocando clássicos do rock nacional e internacional, e mostrando por que é parceiro fiel da Mostra de Arte.

Por Felipe Granville.

Após, a cantora Jéssica Souza se juntou a ele, e juntos apresentaram um dueto impecável e cativante, bonito de ver e ouvir.


Importante citar que, apesar da harmonia e sintonia, esta foi a primeira vez que Jéssica e Leonardo se apresentaram juntos, a convite do DJ Christiano Naza. Torçamos fortemente para que seja a primeira, de muitas e muitas outras apresentações. 


A multitalentosa Tita Growl é amiga de infância da Mostra de Arte, e também do Rancho Cavalo de Troia, e já fez de tudo um pouco por lá: cantou, tocou, curtiu, dançou, leu trechos do seu livro, Tentando me Distrair... Mas, desta vez, Tita desembarcou na Mostra de Arte para apresentar sua coleção de roupas rockabilly, atestando que, além de música e literatura, Tita também manja de moda.

Por Felipe Granville.

Chamar a queridíssima Eloá Zago de artista parece pouco. Porque Eloá não apenas produz ou consome arte; ela é arte.


Através do projeto Vejo Flores em Você, e cheia de carinho e boas energias, Eloá distribuiu abraços, sorrisos, e presenteou o público com seus (lindos) colares de pedra. Junto com cada colar, um bilhetinho escrito à mão:
Que o caminho se abra à sua frente. Que o vento sopre suave nas suas costas. Que o sol brilhe morno em seu rosto. Que a chuva caia de mansinho em seus campos. E, até nos encontrarmos de novo, que Deus te guarde nas palmas de suas mãos”.
É possível não amar a Eloá? Não.


O fotógrafo Igor Reschke – responsável pela cobertura fotográfica do lançamento da obra Conte um Conto Vol. I, o primeiro livro publicado pela Editora Os Dez Melhores, em novembro de 2013 – também estreou na Mostra de Arte, e apresentou um trabalho detalhista e profissional – além da simpatia de sempre.


Ao mesmo tempo em que tudo isso acontecia, no Sarau Musical o Two Old Dogs, projeto acústico formado pelos músicos Jean Montano e Marcelo Zanoni, de Getúlio Vargas, mantinha a trilha sonora da Mostra de Arte em alto nível.


Larissa Berwig, fotógrafa natural de Carazinho, e que atualmente reside no Rio de Janeiro, expôs seu primoroso trabalho fotográfico, representada pela sua irmã, a querida Caterine Berwig.


Larissa possui um trabalho autoral de grande relevância, e suas fotos transmitem tamanha naturalidade, que parece que as modelos sequer sabiam que estavam sendo fotografadas.

Por Felipe Granville.

A fotógrafa Amanda Rodrigues marcou presença novamente – mas, desta vez, não só como público, mas também como artista expositora.


Apesar de muito jovem, Amanda já possui um olhar aguçado e um senso de observação bastante marcante, permitindo que o público “entre” em suas fotografias e faça parte de seus cenários.

Por Amanda Rodrigues.

Alisson TattooFactory foi outro artista que expôs pela primeira vez na Mostra de Arte, e apresentou um trabalho sensacional. Alisson produz luminárias com o desenho que você quiser, e realiza no vidro e no acrílico um trabalho muito próximo ao do tatuador.


Vale a pena conhecer as peças elaboradas por Alisson, e redecorar sua casa e sua vida com luz e criatividade.

Por Felipe Granville.

Sidnei Gean, da Sid Desenhos, não poderia faltar, e mais uma vez surpreendeu todo mundo com suas ilustrações cheias de originalidade, individualidade, traços fortes e extremamente detalhados. Sidnei produziu durante o evento, como de costume, e fez o impossível parecer fácil.


Grandes parceiros, Fill ChapelletArtes e Raquel Schneider também marcaram presença, e apresentaram diferentes trabalhos envolvendo artesanato, ilustração, artes plásticas e literatura.


A novidade ficou por conta dos mini zines produzidos por Raquel, feitos em dobradura, cada um com mensagens e desenhos super bacanas. Eu garanti o meu.

Por Amanda Rodrigues.

Janaina Bueno, da Jana Artesanatos, montou sua banca, olhou para ela, me olhou e falou: “minha banca tá magrinha, xará”. O motivo: Jana vem conquistando uma clientela fiel, e acabou vendendo a maioria das peças que possuía antes da Mostra de Arte.


Janaina possui um trabalho meticuloso e impecável, cheio de criatividade, e já desbravou trevos e fronteiras: suas peças estão disponíveis para venda na Loja Beija-Flor, de Não-Me-Toque, e também pela internet. Ou pessoalmente. Sugiro pessoalmente, porque a Jana é uma pessoa incrível, que você vai gostar de conhecer. Grande parceira da Mostra de Arte e da Editora Os Dez Melhores, é uma amiga pessoal e especial.

Por Felipe Granville.

Mostra de Arte sem Priscila Pezzini não é Mostra de Arte. Amiga querida e parceira obstinada – ela participou da primeira edição da Mostra, em agosto de 2015, e desde lá não a largamos mais – Pri possui um trabalho de pirografia impressionante, e além de criar, reproduz qualquer imagem em madeira.


Pri também trabalha com artesanato, e suas peças realmente merecem um lugar na sua casa. Acredite.

Por Felipe Granville.

O fotógrafo Lauro Markz participou pela primeira vez da Mostra de Arte, e apresentou uma série de fotografias dos bastidores de ações promovidas por marcas, revistas e mídias da indústria do skateboard em países como República Tcheca, Bélgica, Portugal, França e Espanha, além de Argentina, Uruguai e Brasil. Lauro juntou-se ao bando faz pouco tempo, mas já é um parceiro fiel e fundamental.


Bruna Anacleto e Felipe Granville também fizeram parte da 4ª edição da Mostra de Arte através do Projeto Kãgran: Retratos de Uma Sociedade Interétnica, que busca mostrar, por meio de fotos e vídeos, a resistência e a permanência indígena kaingang nos centros urbanos – especialmente em Carazinho/RS: o projeto foi desenvolvido na Comunidade Kaingang Váycupry, que vive nas margens da BR 386.


O mágico e hipnólogo Jim Gauto, figura única e confirmada em toda Mostra de Arte, pra variar deixou de queixo caído quem se arriscou permitindo que ele entrasse em sua mente – literalmente. Literalmente mesmo.

Por Felipe Granville.

Já passava das 23h quando a banda instrumental 5:18, de Não-Me-Toque, subiu no palco principal para o show de transição entre o Sarau Musical e a 14ª edição da Casa do Rock.


O trio, formado por Lêo Schallenberg, Laércio Schallenberg e Ricardo Becker, além de competência e talento, mostrou carisma e conexão com o público, que se manteve em frente ao palco durante toda sua apresentação.


A Editora Os Dez Melhores, em parceria com a Café Espacial, levou para o Rancho todos os livros de seu catálogo, além de edições da revista Café Espacial e muitos brindes, como cartões e marcadores de páginas.


Quem chegou à banca pôde ler trechos dos livros e revistas, comprar exemplares com desconto, e trocar muitas ideias e figurinhas.

Por Felipe Granville.

Nas primeiras horas da madrugada de domingo a banda Chapeleiros de Vênus, de Passo Fundo, abriu (com chave de ouro, diga-se de passagem) as portas da 14ª edição da Casa do Rock, e colocou o público pra curtir.


Em seguida foi a vez da Calígula, banda de Lagoa Vermelha, e cujo setlist é digno de ser degustado.


Los Marias, por sua vez, mostrou por que vem ganhando cada vez mais espaço e admiradores na região: com um repertório autoral de extrema qualidade, os meninos de Passo Fundo estabeleceram um vínculo imediato e consistente com o público, que não somente assistiu como interagiu, e acabou fazendo parte do show – tanto quanto os próprios músicos.


Los Marias deu um espetáculo musical e cognitivo do qual – acredite – você vai querer fazer parte. Se tiver a oportunidade de conferir, não perca por nada neste mundo.


E quem ficou até o fim não se arrependeu. A banda de punk rock Aknator, de Farroupilha, manteve o público na frente do palco, impetuoso e entusiasmado.


O palco ainda estava em chamas quando a DIRT subiu, para encerrar em grande estilo uma noite que certamente ficará na lembrança e no coração de todos que fizeram este evento acontecer.


E quem foram estas pessoas, que fizeram da 4ª Mostra de Arte realidade?
São muitas.
Tantas, que é quase impossível citar todas aqui.

Por Felipe Granville.

Por isso, agradecemos primeiramente ao público, que desde cedo se fez presente, e prestigiou todos os artistas e atrações.


Obrigada pelo carinho, pelo apoio, pelos abraços apertados, e por incentivar a arte e os artistas daqui, da nossa cidade, da nossa região. Vocês são a causa e a consequência da Mostra de Arte existir.


Nossos agradecimentos para o Rancho Cavalo de Troia e para a Sítar Agency, pelo suporte, pelo espaço, pela oportunidade, e por abrir as portas pra gente entrar.


Agradecer ao parceiro, amigo e DJ Christiano Naza, que além de ser o responsável pelo som do evento, cuidou com todo o carinho e profissionalismo das atrações do Sarau Musical, sendo fundamental para o sucesso da 4ª edição da Mostra de Arte.
Grande Naza, valeu mesmo!


Nosso muito obrigada também ao Fernão Duarte, amigo, aliado, parceiro, praticamente sócio da Editora Os Dez Melhores, que, como sempre, registrou cada detalhe do evento com precisão e singularidade. No final, eram 650 fotos, e uma Jana Lauxen louca tentando montar um álbum com pouco mais de 200 (confere o resultado desta trabalheira toda clicando aqui).


Agradecer, é claro, aos expositores, pela parceria de sempre, pela confiança de sempre, pela amizade de sempre. Sem vocês, não haveria Mostra de Arte! Sem vocês, não haveria sequer arte em Carazinho e região!

Por Felipe Granville.

Agradecer muitíssimo aos músicos que se apresentaram, tanto no Sarau Musical, quanto no palco principal. Vocês deram o tom e o ritmo da 4ª Mostra de Arte do Saloon!


Agradecer, inclusive, aos artistas que nos procuraram durante o evento, mostrando interesse em participar das futuras edições. Saibam que são todos muito bem-vindos; e que o bando é aberto, acessível, que não existe panelinha. Aqui, somos todos frigideiras, sem tampa, sem limitações, sem preconceito, livres e culturalmente promíscuos. ;)


Talvez a força deste movimento, a força deste bando, esteja justamente no fato de que, aqui, não existem cadeados, grades, paredes, muros, divisórias, hierarquia, rótulos. Só existem pessoas.


Pessoas que, além de falar, querem fazer.
E fazem.


Pessoas capazes de entender que teoria sem prática vira ladainha; conversa mole pra boi dormir.


Pessoas que conhecem e reconhecem a importância da cultura para nossa independência intelectual, política, cidadã, individual, coletiva, global.


Pessoas que sabem que revolução sem ação não faz sentido, e discursar nunca será maior e mais eficiente do que realizar. 

Por Amanda Rodrigues.

Pessoas dispostas a dar a mão para outras pessoas.

Por Amanda Rodrigues.

Pessoas que enxergam na arte uma forma de se manter vivo e lúcido em um mundo onde, tantas e tantas vezes, a realidade tenta nos destruir.

Por Felipe Granville.

A fé no futuro foi restaurada com sucesso. ;)


Veja mais fotos do evento clicando aqui, aqui e aqui.